Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



De entre os livros que por cá foram referidos ultimamente, este Peri Apiston será provavelmente aquele que mais tem a ver com a mitologia grega. Palaefato apresenta-nos um vasto conjunto de figuras mitológicas, resume a história em que se incluem e, depois de um momento um tanto ou quanto interrogatório (e, diga-se, extremamente divertido), tenta explicar-nos o que se passou realmente, e que deu origem ao mito. Trata-se, então, de uma obra que tenta racionalizar os mitos gregos, propondo versões mais reais para a existência de criaturas como a Hidra, Pégaso, a Esfinge ou Cérbero, entre muitas outras.

 

Infelizmente, a versão que nos chega hoje está corrompida, e pelo menos dois dos 45 mitos tratados não estão completos. Outros não nos apresentam qualquer explicação (será que se perdeu?), e alguns têm até explicações que, para os leitores de hoje, não fazem muito sentido; prendem-se com o sentido das palavras, ou dos nomes e características, dadas a algumas figuras.

 

Agora, visto que esta não é uma obra propriamente fácil de encontrar, achei que seria interessante mencionar a explicação dada a alguns mitos, na mesma ordem em que aparecem na obra de Palaefato, e com o mesmo título. Por motivos de tempo e espaço, não irei apresentar o resumo de cada um dos mitos, mas eventualmente todos eles serão tratados por cá.

 

Centauros - jovens a cavalo que mataram um bando de touros enfurecidos, usando arco e flechas.

 

Pasiphae - mais do que amada por um touro, esta tinha um amante, que Minos depois enviou para as montanhas.

 

Acteon - amava a caça, ao ponto de negligenciar as tarefas domésticas, pelo que "foi devorado pelos cães", em sentido metafórico.

 

As éguas antropófagas de Diomedes - Diomedes gostava tanto das suas éguas, cuidava delas e alimentava-as tão bem, que acabou por "ser comido" (em sentido metafórico), levado à pobreza.

 

Os gigantes saídos da terra (criaturas resultantes dos dentes de dragão de Cadmo) - Cadmo matou o rei de Tebas (de seu nome Dracon) e apoderou-se dos dentes de elefante que este possuía. Isto causou múltiplos ataques à cidade de Tebas, por parte dos filhos de Dracon, que pretendiam recuperar o que lhes pertencia.

 

Esfinge - Cadmo casou com uma amazona chamada Esfinge. Após a conquista da cidade de Tebas, casou também com uma irmã de Draco. Esfinge saiu da cidade, juntamente com vários homens, alguns tesouros da cidade e o cão de Cadmo, e foi viver numa montanha, antes de declarar guerra a Cadmo. Quando os cidadãos saíam da cidade, eram apanhados em embuscadas, até que Cadmo fixou uma recompensa para quem matasse Esfinge, o que foi finalmente feito por Édipo.

 

Raposa da Teuméssia - Alopex (raposa, em grego) foi expulso da cidade de Tebas, e passou a viver numa colina chamada Teuméssia. Por vezes, pilhava os habitantes, juntamente com mercenários, apenas para mais tarde voltar a essa mesma colina. Eventualmente, foram mortos por um ateniano chamado Céfalo.

 

Niobe - após a morte dos filhos, Niobe mandou fazer uma estátua com a sua figura, que foi colocada no mesmo local que os filhos.

 

Linceu - a sua visão apurada devia-se a uma torcha, que usava para ver o interior da mina onde trabalhava.

 

Ceneu - após ter participado em diversas batalhas, sem nunca ser ferido, foi encontrado morto, mas sem qualquer ferida. Assim, ganhou a reputação de ser invulnerável.

 

Cicno - visto nunca ter sido ferido, ganhou também a reputação de ser invulnerável.

 

Dédalo e Ícaro - escaparam de uma prisão e fugiram num barco. Depois, "voaram" utilizando a força do vento, que batia nas velas do barco. Surgiu uma tempestade, o barco virou-se, e Dédalo salvou-se, mas não o seu filho.

 

Hipomene e Atalanta - foram ambos devorados por leões.

 

Calisto - também ela foi devorada por um urso.

 

Europa - um homem chamada Taurus desposou esta princesa da Fenícia.

 

Cavalo de Tróia, e conquista da cidade - os gregos fizeram um cavalo de madeira tão grande que não poderia entrar na cidade de Tróia. Então, quando os troianos deitaram a sua muralha a baixo, de forma a possibilitar a entrada do singular presente, os gregos simplesmente invadiram a cidade.

 

Éolo - um astrónomo, de seu nome Éolo, é que ensinou a Ulisses a forma como usar os ventos para se dirigir onde desejasse.

 

Hespérides - Hesperus tinha duas filhas, e possuía também maçãs tão belas e fecundas que ganharam a reputação de serem "de ouro". Hércules viu ambas as irmãs na costa e raptou-as, juntamente que o homem que as guardava, Dracon.

 

Coto e Briareu - vivam ambos de uma aldeia denominada "das cem mãos".

 

Cila - mais do que uma mulher, tratava-se de uma embarcação que atacava os navios que por lá passavam.

 

Dédalo - ao ter feito estátuas com pés, pode-se dizer que estas "andavam".

 

Fineu - após ter perdido todos os filhos, estava a ser arruinado pelas suas filhas.

 

Mestra (filha de Erisictão) - vários homens, ao estarem apaixonados por Mestra, deram a seu pai todo o tipo de presentes. Desta forma, e num sentido metafório, Mestra transformava-se nessas prendas.

 

Glauco (filho de Sísifo) - tal como sucedeu com Diomedes, a sua paixão pelos cavalos acabou por levá-lo à ruína.

 

Glauco (filho de Minos) - após comer demasiado mel, este Glauco ficou num estado de letargia. Eventualmente, foi-lhe dada uma erva que curou esse estado, mais que o trazer de volta à vida.

 

Glauco (divindade marinha) - devido à sua habilidade para a pesca, foi considerado até como um ser do mar. Após ter desaparecido no mar, os habitantes da aldeia onde viva pensaram que se tinha tornado numa divindade marinha, mas há um interessante aspecto a ter em conta - o autor refere que este Glauco foi comido por um monstro marinho.

 

Belerofonte - possuía uma pequena embarcação, à qual deu o nome de Pégaso. Quanto à Quimera, tratava-se de um vulcão, em redor do qual viviam um leão e um dragão, ambos derrotados pelo herói.

 

Pélope - possuía uma embarcação na qual estavam representados cavalos alados.

 

As filhas de Fórcis - quando Fórcis morreu, deixou às três filhas uma estátua. Depois, esta foi partilhada entre três ilhas (uma de cada irmã), até que Perseu a capturou.

 

As Amazonas - mais do que mulheres, eram homens bárbaros, que usavam vestidos.

 

Orfeu - mais do que mover as coisas com a sua música, era seguido por pessoas que as transportavam.

 

Pandora - visto que se maquilhava demasiado, deixando algum pó fora do lugar, as pessoas pensavam que era feita de terra.

 

Ceto - rei ao qual era devido um imposto anual de bois, mulheres, etc.

 

Hidra - nome de um forte que pertencia ao rei Lerno, no qual existiam dois homens para cada vigia (quando um era derrotado, um outro entrava para o seu posto). Com algum auxílio, Hércules invadiu a sua torre, e conquistou-o.

 

Cérbero - nome dos dois cães (Cerbere e Oros, na versão original) que guardavam o gado de Gerion, e cuja aldeia à qual se dava o nome de "três cabeças". Após ter vencido Gerion e Oros, Hércules foi seguido por Cerbere; contudo, visto que um homem queria ter Cerbere, pelo que seguiu Hércules até uma caverna (onde, segundo o mito, o herói desceu até aos infernos), onde pôde recuperar o cão.

 

Zeto e Anfião - pelo prazer de os ouvirem tocar lira, as pessoas iam trabalhar nas muralhas da cidade.

 

Io - filha de um rei de Argos, que fora escolhida para sacerdotisa de Juno. Por não aceitar essa decisão, tentou fugir da cidade, mas foi capturada e amarrada a uma vaca enfurecida, que a levou até ao Egipto.

 

Medeia - inventora de diversas curas (entre elas uma erva que disfarçava os cabelos brancos), dos banhos quentes, etc.

 

Ônfale - mulher que, enamorada pelos feitos de Hércules, o decidiu procurar. Quando o encontrou, Hércules ficou tão apaixonado por ela que não tinha em mente mais que o prazer da sua amada, e uma tal servitude amorosa levou à ideia referida no mito.

 

Corno de Amalteia - este era um corno em que Amalteia (uma simples mulher) guardava as suas riquezas, e que foi roubado por Hércules.

 

 

 

Note-se que estes resumos simplistas não fazem juz à beleza, ou carácter quase infantil, de toda a obra. Por exemplo, aquando de uma referência à troca do velo de ouro por uma princesa, o autor comenta, de forma jocosa, o antigo valor da lã, e compara-o com o valor da princesa, dizendo algo como "das duas uma, ou a lã era muito rara naquela altura, ou então o rei não tinha muito apreço pela filha".

Para referir um outro exemplo, o autor relega Ceto (um monstro marinho) para simples figura de um rei a quem eram pagos impostos anuais, mas refere que Glauco foi comido por um outro monstro marinho. Esta é uma oposição de ideias que nos leva a repensar parte da obra, e a tentar compreender se, afinal, todos os monstros da mitologia grega eram meras figuras ficcionais, usadas somente por poetas, ou se também eram consideradas como reais, em dadas condições. Uma questão interessante,

 

Esta obra, apesar de pequena, é bastante interessante, e ao tratar a mitologia grega de uma forma menos frequente (se bem que similar à ao tratamento dado neste mesmo blog), também acaba por ser interessante para o público em geral, bem como para todos aqueles que pretendem aprofundar o seu conhecimento dos mitos gregos, vistos aqui de um prisma um pouco diferente.

Licença Creative Commons

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

Sem imagem de perfil

De fairy_morgaine a 05.11.2009 às 14:53

interessante a perspectiva diferente. provavelmente entre uma visão e a outra residem algumas verdades.

Comentar post



Espaço da autoria de Ovídio Silva (Doutorando em Clássicas), e de um anónimo interessado nestes temas.



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog