Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Trata-se esta de mais uma obra semelhante à Cidade de Deus, de Santo Agostinho, mas com uma "pequena" alteração... se, no caso dessa outra obra, são mostrados todo um conjunto de argumentos para provar que a queda do Império Romano não se devia ao Cristianismo, já aqui essa mesma queda é atribuída tanto aos romanos como aos cristãos. Por estranho que parece, Salviano tece todo um conjunto de considerações que exaltam o modo de vida bárbaro, por comparação com o dos romanos tão repletos de vícios, e o dos cristãos (que já o pareciam ser só em nome).

 

Ao longo dos sete livros da obra, o autor vai então mostrando que os bárbaros [do norte] pareciam mais civilizados e correctos que os romanos e os cristão, razão pela qual Deus os favoreceu e os levou a múltiplas conquistas. Os argumentos vão sendo apoiados não só com citações das escrituras mas também com elementos retirados de textos tão conhecidos como a República de Platão. Porém, por vezes esses argumentos são até demasiado discutíveis - por exemplo, quando Platão escreve que os homens e mulheres deveriam ser comuns a todos, Salviano vê aí um apoio a uma horrenda poligamia - o que parece fazer crer que, mais do que argumentar logicamente, o autor está a procurar elementos que possam ser alterados de uma ou outra forma até servirem o seu propósito.

 

De uma forma geral a obra pareceu-me interessante, mas demasiado repetitiva em alguns pontos, já que o autor passa demasiado tempo a focar-se nas mesmas questões, e por vezes até a repetir as mesmas coisas de formas diferentes.

Autoria e outros dados (tags, etc)


5 comentários

Sem imagem de perfil

De Miguel Monteiro a 03.02.2013 às 02:10

Não conhecia: obrigado! Onde encontraste a obra?
Sem imagem de perfil

De Miguel Monteiro a 03.02.2013 às 02:14

Quero eu dizer, onde encontraste uma edição da obra para leres?
Imagem de perfil

De alguém a 03.02.2013 às 23:38

Esta obra foi-me oferecida por um colega, juntamente com algumas outras, para a minha biblioteca pessoal. É uma edição de 1930, com tradução de Eva Sanford, e tanto quanto sei - fui procurar para responder a esta mensagem - está facilmente disponível online.
Imagem de perfil

De alguém a 04.02.2013 às 06:41

De nada, é para isso que cá estou.

Comentar post



Espaço da autoria de Ovídio Silva (Doutorando em Clássicas), e dois anónimos interessados nestes temas.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog