Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O tema dos 12 signos do zodíaco já cá foi abordado, de forma muito simples, no ano de 2012, mas face à curiosidade de algumas pessoas achei que poderia dedicar mais algumas linhas ao mesmo. Assim, as histórias desse ciclo celeste irão ocupar as próximas semanas deste espaço.

 

Se o signo do carneiro até poderá ter tido uma origem mais antiga (como ocorre com diversos outros, importa frisar), em específico através de uma figura com cabeça de carneiro que já existia na religião egípcia, a sua história mais famosa provém dos mitos gregos. O mito dos Argonautas, de que nos falam as obras de Apolónio de Rodes e Valério Flaco (entre outras), apresentava os viajantes da Argo, comandados por Jasão, a tentar obter um tosão de ouro que existia em terras de Cólquida. Esta trama é famosa, mas também tem um prefácio bem menos conhecido.

 

Alguns anos antes o rei Atamas tinha tido dois filhos, Frixo e Hele, fruto de um primeiro casamento. Casou depois com Ino, que tinha uma inveja enorme das duas crianças; para se livrar destas, a nova esposa induziu uma enorme fome nessas terras de Beócia (presume-se que tenha recorrido a magia negra) e falsificou uma mensagem de Delfos, segundo a qual o problema da região só acabaria com o sacrificio de Frixo.

Se o rei Atamas não gostou dessa mensagem, pelo seu dever régio decidiu que tinha mesmo de sacrificar o filho. No entanto, este, juntamente com a irmã, foram salvos por um carneiro voador enviado pelos deuses. Hele acabou por cair num local que viria a chamar-se Helesponto em sua honra (i.e. "Mar de Hele"), mas Frixo chegou com o carneiro até terras da Cólquida, onde foi bem recebido pelo rei Eetes - já famoso do mito dos Argonautas - a quem ofereceu o tosão do animal aí sacrificado. O carneiro também foi, nessa altura, colocado nos céus, onde ainda hoje pode ser visto, enquanto que a sua singular lã apareceria depois no mito dos Argonautas, de que já falei acima.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Espaço da autoria de Ovídio Silva (Doutorando em Clássicas), e de um anónimo interessado nestes temas.
Licença Creative Commons



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog