Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Este décimo-segundo dos signos do zodíaco tem uma história interessante, mas que também é muito pouco conhecida pela grande generalidade dos leitores.

 

O seu mito conta-nos como, um dia, durante a enorme guerra que recebeu o nome de Gigantomaquia (uma espécie de sequela da Titanomaquia) surgiu o mais horrendo de todos os monstros, Tífon. Num primeiro momento este monstro atacou os deuses do Olimpo e forçou-os a fugir do local onde residiam; parte do relato pode ser encontrado nos livros iniciais da Dionisíaca de Nono. Nessa sua fuga, algumas das fontes dizem que os deuses se forem refugiar em terras do Egipto, nas quais tomaram a forma de diversos animais, assim justificando as invulgares formas dos deuses representados nesse país.

Entre esses figuras estavam Afrodite e Eros. Mãe e filho decidiram transformar-se em peixes e escapar por um curso de água próximo, mas dada a tenra idade do segundo a sua mãe decidiu que deveriam unir-se por um pequeno fio, de forma a que não se perdessem um do outro, uma ligação que ainda pode ser hoje vista na representação típica deste signo.

Tífon acabaria por ser derrotado com o auxílio de Dioniso e Héracles, sendo depois colocado por baixo do vulcão Etna, mas a transformação de Afrodite e seu filho acabaria por ficar imortalizada neste signo.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Espaço da autoria de Ovídio Silva (Doutorando em Clássicas), e de um anónimo interessado nestes temas.
Licença Creative Commons



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog