Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Uma questão relativamente comum prende-se com a simbologia por detrás das prendas dos três reis magos, hoje tão famosos do Novo Testamento. Tentarei explicá-lo, mas isso implica também alguma informação adicional.

 

Primeiro que tudo, os magoi (o seu nome grego) aí referidos tinham a sua designação pela religião que praticavam, o Zoroastrianismo. Não eram reis e nada tinham de mágicos, no sentido moderno da palavra, mas na sua religião existia uma enorme ênfase na observação do movimento dos astros. É por essa razão que quando viram uma estrela a mover-se nos céus a decidiram seguir, já que um dos preceitos da sua religião dizia que este invulgar astro acabaria por conduzi-los ao salvador do mundo.

Quantos eram os viajantes? Se hoje são considerados três, no relato bíblico e nas tradições mais antigas nada nos é dito sobre o seu número, com este elemento numérico a provir, muito provavelmente, do número dos seus presentes, como se cada um deles tivesse decidido que devia levar algo de diferente para o recém-nascido.

Poderia parecer-nos que esta era uma ideia com alguma lógica, mas a razão por detrás dos três presentes é bastante diferente e nada tem a ver com o potencial número de viajantes. Ao oferecerem ouro, incenso e mirra a Jesus, os viajantes pretendiam testá-lo, ver qual o presente que aceitaria em primeiro lugar, de forma a compreenderem se este era um rei (para quem o ouro seria uma prenda digna), um deus (que mereceria o incenso) ou um mero mortal (a quem se destinaria a mirra). Jesus aceitou todas as três prendas ao mesmo tempo, como que declarando que era um rei, um deus e também um mortal.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Espaço da autoria de Ovídio Silva (Doutorando em Clássicas), e dois anónimos interessados nestes temas.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog