Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Agora disponível online gratuitamente, este livro em inglês conta a história de algumas das mais famosas mulheres dos mitos gregos e latinos, figuras como Helena (de Tróia), Penélope, Cassandra, Alceste, Medeia ou Dido. Está ilustrado com algumas belas "fotogravuras", mas também conta a história destas personagens com recurso a textos simples e citações das obras traduzidas em inglês. Fica a referência.

Licença Creative Commons

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esta é uma obra interessante, na medida que os seus capítulos sucessivos vão apresentado as crenças religiosas e a estrutura social dos inícios do Cristianismo, para depois demonstrar como essas mesmas ideias foram evoluindo ao longo dos séculos, de alguma forma "corrompendo" a sua pureza e intenção original. Se o seu autor nem sempre é muito sistemático ou imparcial na forma como aborda o tema, ele divide essas alterações em três grandes períodos e traça, de uma forma relativamente simples, o que foi acontecendo e com que bases tomou lugar. É, portanto, uma obra que ao longo das suas 350 páginas pode servir de introdução à história teológica e social do Cristianismo, desde os seus inícios até à Reforma Protestante no século XVI.

Licença Creative Commons

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esta obra, creio que datada do século XVIII, está pejada de histórias ficcionais pelas quais, alegadamente, o famoso barão teria passado. Entre elas contam-se duas que merecem uma pequena menção.

Este barão visita o reino da lua por duas vezes, sendo que numa delas encontra todo um reino em combate com o reino do sol. A descrição recorda-me das palavras de Luciano na sua História Verdadeira, e penso que a relação até possa ter sido intencional.

Mais tarde, o barão visita também o interior de um vulcão (o Etna, creio?), onde encontra alguns dos antigos deuses romanos. Fala até com eles, mas quem quiser saber mais deverá ler a própria obra.

Licença Creative Commons

Autoria e outros dados (tags, etc)

Passou-nos pelas mãos há alguns dias Early Greek Myth: A Guide to Literary and Artistic Sources, uma obra da autoria de Timothy Gantz. É talvez uma das mais interessante a que tivemos acesso nos últimos anos, pelo facto de recontar, de uma forma quase contínua, todos os mais famosos mitos da Grécia Antiga, que o autor reconstroi e explora com base na literatura ainda existente e na arte. Pela sua simplicidade, mas também pela profundidade de todo o estudo apresentado, esta é uma obra que nos pareceu de uma extrema importância para todos aqueles que tenham interesse em estudar os mitos gregos de uma forma sistemática.

Recomenda-se!

Licença Creative Commons

Autoria e outros dados (tags, etc)

Hoje fui confrontado com uma questão que achei que não podia ignorar, quando alguém se perguntou "Onde ficava Tróia?", referindo-se, sem dúvida, à Tróia dos poemas de Homero.

 

De uma forma muito simples, eu poderia, simplesmente, dizer que não sabemos onde ficava a Tróia de que nos fala Homero. Mesmo na Antiguidade, muitos já eram os autores que debatiam esse tema, e se muitos foram aqueles que davam as suas opiniões, parece-me também que não existia nenhuma opinião totalmente convicente, a que todos eles aderissem de uma forma una.

 

Agora, se num século muito mais recente Heinrich Schliemann "descobriu" (as aspas são intencionais) Tróia, essa é uma possível "descoberta" cujo caminho não é simples, e que pode ser explorado na sua obra Troja und seine Ruinen (em Português, algo como "Tróia e as suas ruínas"). Caberá ao leitor, com base no conteúdo da mesma, avaliar se os argumentos de Schliemann são convincentes, ou se apenas serviram para esse autor ver o que queria ver. Se nos poderá parecer, à primeira vista, que essa segunda opção é a mais lógica, ao mesmo tempo também não podemos descurar o facto de, nessa sua obra, o autor tirar várias elações que fazem muito sentido, muito mais sentido do que poderíamos pensar antes de a ler.

 

Serão, então, a Tróia de Schliemann, localizada na turca Hisarlik, e a de Homero, uma só? Essa é uma questão à qual eu dificilmente saberia responder, mas convido todos os interessados no tema a lerem a obra de Schliemann e, com base no que ela lhes disser, formarem as suas próprias conclusões.

Licença Creative Commons

Autoria e outros dados (tags, etc)


Espaço da autoria de Ovídio Silva (Doutorando em Clássicas), e de um anónimo interessado nestes temas.



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog