Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Hoje, queria cá deixar duas pequenas histórias, a de Aio Locúcio e de Redículo Tutano.

 

Por volta de 391 a.C. , um cidadão caminhava perto do Monte Palatino, em Roma, quando ouviu uma misteriosa voz que o avisou de um ataque iminente por parte dos Gauleses. Este cidadão tentou passar a mensagem a quem poderia fazer algo em relação a isso, mas foi ignorado. Então, após o ataque, foi construído no local onde a voz foi ouvida um templo, mas esta nunca mais voltou a ser ouvida. O seu nome, "Aio Locúcio", vem da acção perpetrada pela voz.

 

A segunda história passou-se por volta de 211 a.C. . Quando Aníbal se preparava para invadir Roma, algo o fez, de alguma forma, voltar para trás. O relato do que se passou, em específico, difere de autor para autor, mas para comemorar a salvação da cidade foi erigido nesse local um templo a "Redículo Tutano", cujo nome vem, novamente, da acção da misteriosa figura.

 

Serão estas histórias verdade? Será que realmente ocorreram da forma retratada pelos vários autores? Nunca iremos saber...

Licença Creative Commons

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esta peça de Eurípides baseia-se numa curiosa premissa, a possibilidade de Helena (a esposa de Menelau) nunca ter ido para Tróia. Através da influência divina de Hera foi criada uma segunda "Helena", um espectro da original, e teria sido essa a levada por Páris, enquanto que a verdadeira estava a viver no Egipto. É nesse local que, após o final da Guerra de Tróia, Menelau viria a reencontrá-la, e é desse reencontro que fala este texto. Também fala de muito mais, numa trama que me recorda da Ifigénia na Táurida, mas a razão para estas linhas é mesmo essa ideia-base da Helena que estava em Tróia não ser a esposa de Menelau.

 

De um ponto de vista da trama da Guerra de Tróia, o facto de Helena estar na cidade é sempre um ponto fulcral - é o rapto de Helena que leva ao confronto, é esta Helena que tem a repetida possibilidade de se entregar aos Aqueus e que, eventualmante, até passa a ser odiada pela população, por todo o sofrimento que causa. Portanto, se existe alguém a culpar pela guerra, esse alguém seria obviamente Helena. Porém, se como Eurípides supõe, essa não era, realmente, a esposa de Menelau, Helena perde então toda a culpa que poderia ter no início e desenrolar da guerra...

 

Contudo, é curioso constatar que estão visão, mencionada por Eurípides, era extremamente infrequente já na Antiguidade. Com excepção de Heródoto e deste autor mais ninguém refere essa possibilidade, e mesmo autores mais tardios ignoram-na quase totalmente...

Licença Creative Commons

Autoria e outros dados (tags, etc)



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog