Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Henriqueta Emília da Conceição e Sousa, nascida na cidade do Porto no ano de 1840, é uma figura complexa, na medida que as circunstâncias da sua vida estão hoje envoltas num misto de realidade e mito. Sabemos que foi órfã, que foi violada quando ainda era criança, e que posteriormente se dedicou aos roubos, à prostituição, e a outros ilegalidades, dando origem a um conjunto de circunstâncias a que alguns romances da época muito vieram a adicionar. Quando ainda não tinha sequer 30 anos, apaixonou-se por uma mulher de nome Teresa Maria de Jesus, que viria a falecer em 1868. E aqui começa a história de hoje.

 

Com o falecimento de Teresa, Henriqueta viu-se envolta no maior sofrimento. Não sabia como viver sem a "amiga". Chorava, lamentava-se, sentia-se incapaz de continuar a viver. Então, decidiu mandar construir-lhe um túmulo digno, ainda hoje adornado com uma belíssima estátua de São Francisco.

(C) Nils Pickert 2016

Restava a transladação do corpo. Henriqueta seguiu todos os trâmites legais, até ao dia da deposição da falecida na nova campa. Porém, quando foi altura do novo enterro, pediu para ficar alguns momentos a sós com a amiga, de forma a se poder despedir com maior emoção. Depois, só e face ao cadáver, arrancou-lhe a cabeça e levou-a. E, durante algum tempo, viveu com a cabeça da sua amada na sala de sua casa, colocando-a à mesa, beijando-a, falando até com ela, como se de uma pessoa viva ainda se tratasse.

 

Mais tarde foi apanhada neste seu crime, mas não sofreu qualquer pena de maior - tratava-se, segundo o juíz, de um crime de amor, da simples loucura e desespero de uma mulher muito apaixonada. Diz-se que a cabeça do cadáver foi posteriormente devolvida à sua proveniência, mas contrariamente aos desejos de Henriqueta não vieram a partilhar um mesmo túmulo na eternidade. E, por isso, duas noites por ano é ainda possível ouvir nesse cemitério o triste lamento de Henriqueta por Teresa...

Licença Creative Commons

Autoria e outros dados (tags, etc)

A história de hoje vem do Japão e tem diversas versões, pelo que contamos aqui apenas o essencial da trama.

Okiku e o poço

Okiku era uma criada virgem de um senhor muito importante. Este, movido pela luxúria, pedia-lhe repetidamente que cedesse aos seus desejos e aceitasse ter sexo com ele. Mas, uma e outra vez, ela rejeitou aceder ao que lhe era pedido.

 

Um dia, sempre comandado pelo seu desejo, o senhor decidiu pôr em prática um plano, que passou por esconder um valioso prato de um conjunto de 10. Depois, esperou. Quando Okiku notou o desaparecimento, lembrou-se que a sentença dada por um tal roubo seria a da sua morte. Chorou. Num enorme desespero, esperando que talvez estivesse a ver mal, contou os pratos - 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8... 9! Um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete, oito... nove! 一, 二, 三, 四, 五, 六, 七, 八 ... 九! Mas, por muitas vezes que os contasse, a conclusão era sempre a mesma - faltava um prato!

 

Cada vez mais desesperada, sem saber o que fazer da sua vida, foi falar com o seu senhor e pediu-lhe a maior clemência. Mas este, prosseguindo com o seu plano e novamente movido pela sua intenção sexual, fez-lhe uma proposta simples - o desaparecimento seria esquecido somente se Okiku aceitasse fazer amor com ele.

Mas... Okiku rejeitou. Talvez o tivesse feito mil outras vezes, se o seu senhor lhe pedisse outras mil. Mas, desta vez, enraivecido como nunca, este bateu-lhe, matou-a, e atirou o seu corpo para o fundo de um poço.

 

Conta-nos a mesma história que o espírito de Okiku ainda habita esse local, localizado nas redondezas do Castelo de Himeji, e durante as noites ainda pode ser ouvido a gemer a sua infinita melodia - "1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8... 9!" - antes de soltar um horrendo grito!

Licença Creative Commons

Autoria e outros dados (tags, etc)

Para celebrar a vinda do Halloween (ou a véspera do Pão por Deus, se preferirem tradições portuguesas), as próximas três noites serão ocupadas por três histórias assustadoras, com a noite seguinte - de 31 de Outubro para 1 de Novembro - a ser ocupada por uma experiência, o primeiro encontro físico deste espaço, onde se procurarão contar - e escutar - outras histórias da mesma natureza.

Uma porta de madeira, só isso

Para esta primeira noite iremos a uma história supostamente real, que nos foi contada durante a nossa busca por relatos orais em território português. Provém de um casal que vive numa pequena aldeia no distrito de Bragança, que nos permitiu partilhá-la de forma anónima.

 

Segundo o patriarca do casal, em casa de alguns amigos, hoje já falecidos, durante as noites de lua cheia costumava-se ouvir alguém a bater à porta. Mas, por muitas vezes que se inquirisse sobre a identidade do visitante, nunca era obtida qualquer resposta. Então, uma dada noite, aquele que se viria a tornar o relator da história decidiu tentar algo de diferente, perguntando simplesmente "Ao que vem? O que deseja?", levando à resposta de uma voz masculina misteriosa - "Quero um alqueire de trigo." Esse desejo foi cumprido, sendo colocado no local antes da noite seguinte, e... tanto o trigo desapareceu, como a presença do "visitante" nunca mais foi sentida.

 

A esta história, a esposa do relator acrescentou que também ela já tinha passado por algo semelhante. Há mais de 70 anos, quando ainda vivia com os pais, durante a noite por vezes eram ouvidos barulhos de uma máquina de costura no piso superior da casa - o que nada teria de errado, não fosse o facto de esta apenas ter um piso térreo. Em busca do que se poderia andar a passar, os habitantes da casa falaram com uma vizinha mais idosa, que lhes disse que naquela casa tinha vivido uma menina que tinha prometido a Nossa Senhora um novo véu, mas que ela tinha falecido antes de acabar de o coser. Assim, foi comprado um véu e este foi oferecido à igreja local, o que fez cessar por completo os estranhos barulhos.

 

Mas... serão estas histórias reais? Será que realmente tomaram lugar? Fomos repetidamente assegurados que sim, que as almas penadas que tinham promessas por cumprir agiam de formas como estas, mas... será que algo de semelhante já se passou com os leitores? Como sempre, se tiverem histórias semelhantes para contar, por favor deixem-nas nos comentários.

Licença Creative Commons

Autoria e outros dados (tags, etc)

Há vários anos atrás foi-nos posta uma pergunta que poderá fazer sorrir - como é que os heróis homéricos sabiam as ascendências uns dos outros? Claro que na Ilíada existem os mais diversos momentos em que as paternidades e eventos de um e outro herói são mencionadas, mas como podiam eles saber isso uns dos outros? Será que, como uma amiga costumava dizer, "paravam para conversar"?

 

Não temos, naturalmente, uma resposta totalmente fidedigna para dar, até por ser uma questão derivada de uma obra de ficção e uma convenção de poemas épicos, mas numa obra chinesa, 西遊補, aparece uma sequência que neste contexto merece ser trazida à luz. Dois combatentes estão em pleno combate, a trocar os mais diversos golpes, quando um deles diz ao outro:

Espera! Se eu não te falar sobre a minha família, quando eu te matar e te tornares um fantasma irás continuar a pensar que eu sou apenas um pequeno general sem nome. Mas permite-me contar-te: eu, o Rei Pramit, sou nem mais nem menos que um descendente directo do Macaco Sun, o Grande Sábio Igual ao Céu, que causou grande confusão no Céu.

Será que monólogos como estes, de pura vangloriação, também tinham lugar, muitas vezes de forma implícita, no imaginário do poeta da Ilíada? É bastante possível que sim, mesmo que se pense que nunca tenham acontecido em confrontos bélicos mais reais.

Licença Creative Commons

Autoria e outros dados (tags, etc)

Secções:

Sapo fofinho

Há alguns dias fomos contactados por uma publicação nacional, que nos queria pôr uma questão curiosa - afinal de contas, porque é que os ciganos não gostam de sapos?

 

Nunca encontrámos qualquer mito ou lenda que justificasse esse temor. Porém, como evidenciado pela prática corrente em muitas lojas portuguesas, que usam um sapo de louça para afastar os ciganos, na verdade esta crença não passa por terem medo do animal, em si, mas de uma ideia que este lhes sugere. E, pergunte-se então, que ideia é essa?

Essencialmente, em alguns dialectos da língua romani a palavra beng significa tanto sapo como diabo. Por isso, para eles olhar para a figura de um sapo poderá ser equacionado a evocar o diabo, que, por sua vez, empresta a sua protecção a um determinado local; e se essa figura não tem na cultura cigana o mesmo simbolismo que na cristã, não deixa de ser temida.

 

Trata-se, portanto, de uma inferência sapo -> beng -> diabo, propiciando o afastamento dos ciganos tal como aconteceria no nosso caso se, por exemplo, alguém colocasse à porta da sua loja uma imagem que consideramos particularmente ofensiva ou chocante.

Licença Creative Commons

Autoria e outros dados (tags, etc)

Secções:

Capa do livro

De entre as muitas pesquisas que foram aqui feitas ao longo dos anos poucas nos intrigaram tanto como o caso das muitas pessoas que, por uma razão desconhecida, decidiram procurar pela obra O Estrangeiro, de Albert Camus. Isso, naturalmente, levou-nos a explorá-la, mas nada nela nos parece remeter directamente para a literatura ou os mitos da Antiguidade. É, essencialmente, uma novela/romance em que um dado homem tem uma vida completamente normal, mata alguém (de forma acidental?), e depois tem de lidar com as consequências dessa acção.

Assim, desconhecemos o porquê de tanta gente ter procurado por essa obra por cá; seria pela confusão entre a Literatura Clássica (i.e. da Antiguidade) e os clássicos da literatura, a que a obra de Camus quase certamente pertence?

Licença Creative Commons

Autoria e outros dados (tags, etc)

Num episódio recente dos Simpsons, a trama introduziu um (ficcional) Santo Inácio Castellaneta. Supostamente vivendo em 250 d.C., recusou-se a abandonar a fé cristã e, como tal, os romanos cortaram-lhe a cabeça, os braços, as pernas e os dedos. Depois, atiraram-lhe flechas feitas de cobras congeladas e retiraram-lhe os olhos, cobrindo-lhe as respectivas cavidades com pistachios cobertos de chocolate - mas o santo continuou a recusar-se a abandonar a fé cristã. Então, finalmente, pareceram cozer os seus ossos em vinho de cereja. Depois, esse martírio levou a uma dada tradição na cidade de Springfield.

Um falso santo

A breve sequência pode ser vista carregando na imagem acima, mas o que ela tem de particularmente especial é o facto de representar um falso martírio com contornos que até poderiam ser verdadeiros. Tem lugar no século III d.C., apresenta uma figura cristã disposta a defender a sua fé pessoal contra todas as torturas, e mesmo após a sua morte a memória dos eventos pelos quais passou ainda perdura. Na verdade, se tivessemos lido este relato num livro, dificilmente duvidaríamos da sua veracidade. O que levanta uma questão - será que coisas como estas realmente aconteceram aos mártires cristãos?

 

Entre os muitos mártires dos primeiros séculos da nossa era contam-se algumas histórias absolutamente incríveis. Desde santas cujos seios foram cortados e cozinhados, até figuras religiosas cuja cabeça decepada quase nos faz sorrir face à constelação de tantas outras torturas por que passaram, não podemos deixar de pensar se não existiria um carácter muito sádico nos Romanos. Só isso permitira justificar as tamanhas torturas a que, supostamente, sujeitaram os Cristãos. Mas, repita-se, será que esses relatos são mesmo verdade? A história é frequentemente escrita pelos vencedores, e... por isso, não sabemos, nem temos forma de saber, até que ponto os Romanos infligiam mesmo nos Cristãos aquelas torturas de que muito ouvimos falar, até porque nada nos códigos legais de então previa tais abusos para com os criminosos. É, então, uma questão que tem mesmo de permanecer em aberto...

Licença Creative Commons

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/3




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog