Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mitologia em Português

Mitologia em Português

28 de Fevereiro, 2020

A invulgar história de Ganga e Shantanu, provinda do "Mahabharata"

Ganga, Shantanu e o filho

Se são muitos os mitos belíssimos presentes no Mahabharata, também serão poucas as pessoas que os conhecerão em Portugal e no Brasil. Por isso, para terminar este mês dedicado (quase) exclusivamente aos mitos e lendas decidimos contar uma pequena história que provém dessa obra, a de Ganga e Shantanu.

 

Um dia, enquanto o rei Shantanu passeava próximo do rio Ganges, viu a mais bela mulher que alguma vez lhe tinha cruzado o olhar. Num momento de desespero, com medo de que não mais a tornasse a ver, pediu-lhe que casasse com ele. Esta aceitou, mas com uma pequena condição - o rei nunca poderia questionar qualquer uma das decisões que ela tomasse.

Os anos passaram e o casal teve um filho - e Ganga afogou-o. Tiveram um segundo - e Ganga afogou-o. Nasceu um terceiro - e Ganga afogou-o. Tiveram sete filhos, e por sete vezes a esposa os afogou, mas Shantanu, apesar de desesperado com estes acontecimentos, nunca questionou a esposa.

E então nasceu um oitavo filho. Quando Ganga se preparava para o afogar, o rei, num acto do mais derradeiro desespero, decidiu questionar a esposa - "Porque o fazes? Porque afogas todos os nossos filhos?"

 

Antes de continuarmos esta história há que deixar uma pequena referência cultural imprescindível para a compreender - se a nós, criados na cultura ocidental e num meio eminentemente cristão, a conclusão poderá parecer um tanto ou quanto estranha, para os Hindus, e para todos aqueles que acreditem na vida humana como um ciclo repetitivo de existências, isto faz o mais completo sentido (pense-se até numa famosa ideia grega, "o melhor para todos os seres humanos é nunca ter nascido, mas ao terem-no feito, morrer o mais cedo possível"):

 

A esposa, Ganga, reencarnação do próprio Ganges, decidiu então revelar-lhe a verdade. Falou-lhe de uma maldição do deus Brama, segundo a qual oito divindades teriam de reencarnar no mundo dos vivos, mas poderiam falecer no seu primeiro ano de vida e assim retornar logo ao reino dos deuses. Ganga tinha libertado sete deles, mas o oitavo, impedido de morrer pelas acções de Shantanu, iria viver uma vida longa e virtuosa, mas sempre sem ter mulher ou filhos. Depois, como que por magia, Ganga desapareceu e levou o filho consigo, deixando o rei no maior de todos os sofrimentos.

 

O filho, cujo nome ainda não é dado nesta sequência, viria posteriormente a reencontrar Shantanu e a tornar-se uma personagem importante no próprio Mahabharata, mas essa continuação já foge ao tema de hoje - uma história de amor e compaixão, que a nós nos poderá parecer estranha, mas que para o seu público original tinha uma excelente razão de ser.

~~~~~~~
Gostas de temas como este? Podes seguir-nos no Twitter, ou receber as nossas novidades no teu e-mail de uma forma simples, rápida e gratuita!



Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.