Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mitologia em Português

Mitologia em Português

27 de Fevereiro, 2020

A lenda da origem da Sopa da Pedra

Uma sopa parecida com a da pedra

De entre as muitas lendas que nos recordamos de ter ouvido nos nossos tempos de juventude conta-se a da origem da Sopa da Pedra. Mas quando há alguns dias a comíamos em terras do Alentejo, uma das nossas colegas desconhecia a história por detrás da estranha designação. Face a esse problema (e também para que ninguém se queixe do facto de ontem não termos contado mesmo uma lenda portuguesa), nada como recordarmos a origem deste prato:

 

Conta-se que um dado dia um monge se encontrou numa terra que desconhecia. Estava cheio de fome, mas não tinha qualquer dinheiro consigo. Pediu esmola aqui, ali, acolá, mas naquele triste dia ninguém estava interessado em ajudá-lo. Então, pegou numa qualquer pedra que viu no caminho e, aproximando-se de um popular que ainda não tinha interpelado antes, disse-lhe que estava a planear fazer uma sopa da pedra.

A expressão na cara do veraneante foi de grande confusão. "Sopa da pedra? Isso existe?" Por três vezes o monge lhe disse que sim, e por três vezes o homem se mostrou incrédulo. Então, o religioso ofereceu-se para cozinhar essa sopa, de forma a provar-lhe a completa veracidade da mesma. O homem, na maior das curiosidades, naturalmente que aceitou.

Então, o monge começou por aquecer uma panela com água e colocou a pedra no seu interior. Esperando alguns minutos, provou um pouco do caldo com uma colher de pau e disse "Hum... está muito boa, esta sopa da pedra, mas ficaria ainda melhor com um pouco de feijão." O homem deu-lhe o feijão. Minutos depois a cena repetiu-se - "Sabe o que ficaria fantástico aqui? Uma orelha de porco." Novamente, o homem concedeu-lhe esse sugestão. E assim se repetiram os pedidos, uma e outra vez, com o monge a pedir outros ingredientes - um pouco de chouriço, umas gramas de toucinho, cebolas e alho, umas batatinhas, fatias de pão, uma pitada de sal... e no final, o monge e o seu novo amigo deleitaram-se com um belo petisco!

 

Esta lenda partilha de um conjunto de elementos comuns em outras histórias de todo o mundo, em que ao abrigo da ideia de cozinhar uma sopa "impossível" uma personagem vai conseguindo os ingredientes para cozinhar um prato bem real. Porém, se a sopa da história é verdadeiramente deliciosa, quem quiser prová-la sairá parcialmente gorado - são poucos os restaurantes que hoje em dia a servem com a famosa pedra. Se poderá parecer algo pouco importante - "a pedra não se come, não é?!" - de um ponto de vista simbólico poderia colocar-se uma na beira do prato, em memória da sua origem lendária...

~~~~~~~
Gostas de temas como este? Podes seguir-nos no Twitter, no Facebook (novo), ou receber as nossas novidades no teu e-mail de uma forma simples, rápida e gratuita!



Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.