Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mitologia em Português

Mitologia em Português

28 de Maio, 2020

A origem dos Gnomos, Silfos, Salamandras e Ondinas

Os Quatro Elementos

A origem destas quatro criaturas - Gnomos, Silfos, Salamandras e Ondinas - é tão semelhante que nos pareceria absurdo tentar separá-las, razão pela qual unimos as suas histórias neste breve relato.

 

A ideia ocidental de que existem quatro elementos, de que tudo o que existe é composto, vem dos tempos da Antiguidade, como já cá dissemos antes. Da mesma altura também vem uma ideia de que existiam seres semidivinos que habitavam na natureza, como as Dríades e as Ninfas. Face a estas duas ideias, no século XVI - e já num contexto da Alquimia - Paracelso parece ter inferido um passo adicional... e dizemos que "parece" porque, na verdade, esta informação surge numa obra de Paracelso quase num vácuo, sendo provável que a tenha criado ou que tenha sido o primeiro a deixá-la por escrito.

 

Que ideia inovadora foi essa? Segundo ele, cada um dos quatro elementos era habitado por criaturas que não podíamos ver, mas que existiam e que apenas podiam viver nesse ambiente específico. E assim, os habitantes da terra eram os Gnomos, os do ar os Silfos (ou Sílfides), os do fogo as Salamandras, e os da água as Ondinas. Ou, respectivamente e em alternativa, falava-se de Pigmeus, Silvestres, Vulcanos e Ninfas. E assim, de uma só vez, foram imaginadas toda uma nova categoria de seres.

 

Poderia, naturalmente, perguntar-se que características foram dadas, originalmente, aos Gnomos, Silfos, Salamandras e Ondinas por Paracelso, mas, nas linhas a que fomos tendo acesso (e recorde-se que as obras de Paracelso não são fáceis de aceder), apenas é revelado que cada uma destas criaturas vivia no respectivo elemento, não podendo viver ou passar para nenhum outro. Terá sido por essa ausência de informação que os autores posteriores se sentiram à vontade para lhes irem adicionando as características que desejavam - por exemplo, sabiam que, na versão original da história de Hans Christian Andersen, a Pequena Sereia era na verdade uma Ondina, o que até pode justificar um estranho final da história?!

~~~~~~~
Gostas de temas como este? Podes seguir-nos no Twitter, no Facebook (novo), ou receber as nossas novidades no teu e-mail de uma forma simples, rápida e gratuita!



Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.