Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

No seu Livro das Maravilhas Flégon de Trales conta-nos o seguinte:

 

Um hipocentauro foi encontrado na cidade de Saune, na Arábia (...). Foi capturado vivo pelo rei, que o enviou para o Egipto juntamente com outras prendas para o imperador. A sua subsistência era carne. Mas não tolerou a mudança de ares e morreu, pelo que o prefeito do Egipto o embalsamou e enviou-o para Roma.

Primeiro foi exibido no palácio. A sua face era mais feroz que uma humana, os seus braços e dedos eram peludos e as suas costelas estavam ligadas às suas pernas da frente e ao seu estômago. Tinha os cascos firmes de um cavalo e uma crina fulva, mas como resultado do processo de embalsamação a sua crina bem como a sua pele estavam a tornar-se escuras. Em tamanho não parecia as representações usuais, mas também não era pequeno.

Dizia-se que também existiam outros hipocentauros nessa cidade de Saune.

Em relação ao que foi enviado para Roma, qualquer céptico o pode ver por si mesmo, já que foi embalsamado e está guardado na tesouraria do imperador.

 

Seria este o último dos centauros? Também Plínio o Velho, melhor familiarizado com a história natural, menciona este mesmo centauro presente na cidade de Roma durante o reinado de Cláudio. Estariam ambos os autores enganados? Tratar-se-ia de um embuste? Ou, pelo contrário, os centauros realmente existiram? As provas que temos tornam essa possibilidade muito improvável, mas não deixa de ser uma história potencialmente real para quem nela quiser acreditar.

Licença Creative Commons

Autoria e outros dados (tags, etc)




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog