Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Dom Fuas Roupinho e o Veado

Conta-nos esta lenda que, numa manhã de nevoeiro por volta de 1182, Dom Fuas Roupinho andava a caçar por terras da Nazaré quando viu um veado. No calor do momento decidiu persegui-lo quase até aos fins do mundo, e por pouco ia sendo levado à sua própria morte - o veado saltou de um penhasco e o cavalo do herói quase que o ia acompanhando, até que o "Farroupim" evocou o nome de Nossa Senhora e, no derradeiro momento, o animal estacou miraculosamente, salvando a vida daquele que transportava. As marcas do milagre foram de tal forma profundas que, segundo alguns, ainda podem ser vistas no local.

 

Como sempre nestas lendas, existem algumas divergências aqui e ali, mas uma das referências mais interessantes que encontrámos passa por se dizer que o veado era uma transformação do diabo, e daí se compreender a ajuda santa de Nossa Senhora.

Mas terá sido toda esta história verdade? Sabemos que Dom Fuas Roupinho foi uma figura real, viveu no tempo de Dom Afonso Henriques, foi alcaide de Porto de Mós e até um eminente comandante naval, sendo muito provável que tivesse passado pela Nazaré. Sabemos igualmente que foi ele quem mandou construir uma capela nessa vila, sobre uma antiga gruta onde já existia uma imagem de Nossa Senhora (e, supostamente, próxima do local do milagre), pelo que poderá ter sido essa uma grande razão da associação entre as duas figuras. Mas se o episódio do veado realmente tomou lugar, isso é algo que só o próprio "Farroupim" nos saberia dizer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Um presépio

Na Língua Portuguesa poucas palavras são tão singulares como presépio. Quase toda a gente parece saber o que significa, mas ao mesmo tempo é também um vocábulo quase completamente esquecido durante 11 meses do ano. E, na verdade, o nome "presépio" vem do Latim; entre os seus significados originais encontra-se o do local em que os animais domésticos comem, não somente a própria manjedoura (vista na imagem acima como o berço de Jesus Cristo), mas também todo um imaginário que a envolve.

 

Agora, se o local do nascimento de Jesus Cristo não é totalmente estável nas fontes literárias que temos - alguns autores falam de um estábulo, enquanto que outros se referem a uma caverna - porque é esta cena religiosa tão representada nos nossos dias? Bem, conta-nos a Vida de São Francisco de Assis (da autoria de São Boaventura), que por volta do ano 1233, na cidade italiana de Greccio, o santo decidiu representar a Natividade com o objectivo de recordar ás pessoas a verdadeira essência do Natal.

Segundo a mesma fonte, esse primeiro Presépio tinha já uma manjedoura, feno, um boi e um burro, mas não nos é dito se já apresentava outras figuras (sob a forma de pessoas reais ou estátuas). Foi celebrada uma missa em seu redor, cuja beleza levou os crentes às lágrimas, e após ser desmanchado foram vários os milagres suscitados pelo feno que aí tinha sido utilizado.

 

Foi através de esta singular ideia de São Francisco de Assis, feita com aprovação papal, que a representação do nascimento de Jesus Cristo entrou para o imaginário da Igreja, sendo depois disseminada para toda a Europa ao longo dos séculos. E foi também assim que o Presépio veio a entrar em nossas casas, tanto em Portugal como em muitos outros países pelo mundo fora.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Num episódio recente dos Simpsons, a trama introduziu um (ficcional) Santo Inácio Castellaneta. Supostamente vivendo em 250 d.C., recusou-se a abandonar a fé cristã e, como tal, os romanos cortaram-lhe a cabeça, os braços, as pernas e os dedos. Depois, atiraram-lhe flechas feitas de cobras congeladas e retiraram-lhe os olhos, cobrindo-lhe as respectivas cavidades com pistachios cobertos de chocolate - mas o santo continuou a recusar-se a abandonar a fé cristã. Então, finalmente, pareceram cozer os seus ossos em vinho de cereja. Depois, esse martírio levou a uma dada tradição na cidade de Springfield.

Um falso santo

A breve sequência pode ser vista carregando na imagem acima, mas o que ela tem de particularmente especial é o facto de representar um falso martírio com contornos que até poderiam ser verdadeiros. Tem lugar no século III d.C., apresenta uma figura cristã disposta a defender a sua fé pessoal contra todas as torturas, e mesmo após a sua morte a memória dos eventos pelos quais passou ainda perdura. Na verdade, se tivessemos lido este relato num livro, dificilmente duvidaríamos da sua veracidade. O que levanta uma questão - será que coisas como estas realmente aconteceram aos mártires cristãos?

 

Entre os muitos mártires dos primeiros séculos da nossa era contam-se algumas histórias absolutamente incríveis. Desde santas cujos seios foram cortados e cozinhados, até figuras religiosas cuja cabeça decepada quase nos faz sorrir face à constelação de tantas outras torturas por que passaram, não podemos deixar de pensar se não existiria um carácter muito sádico nos Romanos. Só isso permitira justificar as tamanhas torturas a que, supostamente, sujeitaram os Cristãos. Mas, repita-se, será que esses relatos são mesmo verdade? A história é frequentemente escrita pelos vencedores, e... por isso, não sabemos, nem temos forma de saber, até que ponto os Romanos infligiam mesmo nos Cristãos aquelas torturas de que muito ouvimos falar, até porque nada nos códigos legais de então previa tais abusos para com os criminosos. É, então, uma questão que tem mesmo de permanecer em aberto...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Maria e o Anjo

Um dos grandes mistérios de Bíblia, tal como a temos nos nossos dias, é a forma como Maria, mãe de Jesus, engravidou e deu à luz mantendo-se virgem. Claro que existem, ao longo dos séculos (e até nos nossos dias), outros exemplos de mulheres que engravidaram ainda virgens, mas se a cesariana já existia nos inícios da nossa era (Solino diz-nos que o nome foi popularizado por César ter nascido através dessa técnica), nada no texto bíblico nos diz que foi assim que o filho nasceu. O que nos leva, por isso, a uma questão intrigante - como foi Jesus concebido, e como foi possível que ele nascesse sendo mantida a virgindade de Maria?

 

A resposta que um padre vulgarmente nos dará é que "foi milagre". Sim, a um deus omnipotente tudo seria possível, até a manutenção da virgindade de uma mulher após um nascimento, mas essa pseudo-resposta é também muito pouco satisfatória, até porque se abriria a caricata possibilidade de se poder dar igual resposta a toda e qualquer questão bíblica.

Em alternativa, ao longo dos séculos foram sugeridas alternativas. A mais interessante delas, e aquela que trazemos aqui hoje, diz que Maria engravidou pela orelha, e que o próprio filho nasceu, também ele, pela mesma orelha da mãe. Não fazemos qualquer ideia dos potenciais fundamentos biológicos necessários para tal, mas a ideia desta estranha concepção já aparecia em autores como Efrém da Síria (século IV), numa dada altura até apareceu representada na arte, e o nascimento de Jesus de forma semelhante ocorre, pelo menos, num texto cátaro (i.e. da Idade Média).

 

Claro que esta é uma resposta muito estranha, mas parte do cumprimento de uma pseudo-profecia presente no Antigo Testamento. É, por isso, uma possibilidade como qualquer outra, rementendo-nos, como é muito frequente nestes casos, para o reino exclusivo da fé...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Salomão e a Rainha de Sabá

Poucas histórias parecem fascinar tanto a humanidade como a do destino final da Arca da Aliança. A sua redescoberta poderia provar a veracidade dos textos bíblicos, mas pouco se sabe da sua localização após a perda do Primeiro Templo de Jerusalém, o mesmo que foi eregido pelo Rei Salomão. Existem, aqui e ali, uma e outra hipótese, mas a que apresentamos hoje é intrigante.

 

Segundo o Kebra Nagast, um épico etíope que poderá datar do século XIV (o texto diz tratar-se de uma suposta tradução do copta para o árabe para a língua local), quando o Rei Salomão e a Rainha de Sabá se encontraram em Jerusalém - como diz o Antigo Testamento - aconteceu também algo que o texto bíblico não preserva - a rainha, aqui chamada Makeda, engravidou e teve um filho, a que viria a dar o nome de Menelik. Isso aconteceu porque, entre outras razões, Salomão queria engravidar o maior número possível de mulheres, de forma a propagar a crença no deus único (e não estamos a brincar, é mesmo isso que o texto afirma).

Alguns anos depois, Menelik foi a Jerusalém conhecer o pai. Quando voltou à Etiópia trouxe consigo a Arca da Aliança. Não se tratou de um roubo (!), o texto deixa claro que a Arca apenas foi levada por vontade divina, em parte devido à piedade do jovem e em parte porque Salomão andava a transgredir as regras que Deus lhe tinha imposto.

 

Esta poderia tratar-se de uma história lendária como muitas outras, mas a Igreja de Santa Maria de Sião, na cidade etíope de Axum, supostamente ainda tem no seu interior a Arca da Aliança, a mesma que Menelik trouxe do reino de Salomão. Porém, antes que se metam num avião para a re-encontrar, convém frisar que o local não está aberto ao público, nem é possível ver o tão famoso ítem. É possível que Edward Ullendorff a tenha visto durante a Segunda Guerra Mundial e afirmado que é uma cópia sem muito valor, como detalha este artigo, mas pouco mais sabemos sobre ela. É, por isso, uma possibilidade, mas também um beco sem saída.

 

Se existem várias outras histórias apócrifas que unem em laços amorosos a Rainha de Sabá e o Rei Salomão, chegando ao ponto de existirem até livros e filmes sobre o tema, esta parece ser uma das mais antigas referências a um potencial filho de ambos. Mas, se esse é o episódio central e fulcral do Kebra Nagast, esta obra também tem menções a vários outros mitos cristãos, desde a criação do Homem no Paraíso até às muitas sequências do Antigo Testamento que previam a vinda de um Messias (e que o texto descrimina de uma forma inesperadamente directa). Tem alguns momentos puramente belos (como as frases de Salomão sobre a natureza do conhecimento humano), mas, talvez mais que tudo, é notável pela forma como re-escreve e adapta alguns mitos bíblicos a um contexto africano.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Um poeta da Antiguidade

As fontes literárias que temos referem que Vilgardo de Ravena foi um dos primeiros heréticos medievais. Porém, o que o torna digno de nota é mesmo a forma como essa sua heresia nasceu - as fontes dizem que ele se aplicou tanto nos estudos literários que, numa dada altura, lhe apareceram durante a noite os espíritos de Virgílio, Horácio e Juvenal. Estes agradeceram-lhe o estudo intenso, antes de lhe asseguraram que também ele iria partilhar da mesma glória literária que eles tinham. Isto levou-o a uma curiosa heresia, em que defendia que as palavras "dos poetas", numa natural referência aos autores latinos da Antiguidade, eram sempre dignas de serem acreditadas.

 

Infelizmente, sabemos pouco mais sobre este Vilgardo de Ravena. Seria interessante saber como essa sua crença se intersectava com os ensinamentos da religião cristã, mas essa informação parece ter sido perdida ao longo dos séculos, até porque não temos conhecimento de ele ter composto qualquer obra literária.

Autoria e outros dados (tags, etc)

David e Golias

Se já cá falámos de diversas origens, esta apresenta-se como potencialmente mais simples que as anteriores. Desde o Golias do Antigo Testamento, até aos muitos gigantes das histórias de cavaleiros e donzelas, passando pelos Γίγαντες dos mitos gregos e latinos e alguns Jötnar nórdicos, quase todas as mitologias e religiões fazem referência à existência de "gigantes", seres que são quase como nós mas de maior estatura. Por isso, de onde vem essa ideia? Será que eles realmente existiram, num tempo já há muito passado?

 

A resposta pode ser tanto positiva como negativa. Sempre existiram seres humanos de estatura maior que o normal (por exemplo, Robert Wadlow, o maior homem de que temos registo, tinha 2.72m de altura), mas a ideia também parece provir da descoberta de diversos esqueletos de dinossauro. Eles existem por todo o mundo e sabemos que uma confusão de identificações teve lugar ao longo dos séculos.

Por exemplo, são diversas as fontes gregas e latinas que atestam que, após um terramoto, foram encontrados esqueletos enormes no interior do solo, que vão sendo identificados como heróis do passado (sempre de grande estatura!), ou como monstros serpentinos (e.g. aquele que Perseu derrotou para salvar Andrómeda).

Face a identificações como essas, torna-se fácil conseguir acreditar que algo de semelhante possa também ter tido lugar noutras culturas, levando a uma crença intercultural relativa a um tempo em que estes supostos gigantes viviam quase lado-a-lado com seres humanos como nós.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog